Correio Feirense - O portal de Notícias de Feira de Santana - Bahia

OFERECIMENTO

Promotor diz que não houve erro na contagem dos votos para vereador em Feira de Santana

Publicada em 04/10/2016 ás 13:13:07

Manifestantes

Na manhã desta terça-feira (04/10), um grupo de candidatos a vereador que não conseguiram se eleger no pleito deste domingo (02/10), em Feira de Santana estiveram no Ministério Público (MP), na Avenida Getúlio Vargas reclamando da apuração dos votos. Insatisfeitos com o resultado os manifestantes foram solicitar ao MP, a recontagem dos votos ou uma nova eleição em segundo turno para vereador.

O advogado Fabiano Bernardes, também candidato pelo PROS, ressaltou a possibilidade de ter existido votos flutuantes, cerca de 20 mil votos, ou seja, votos que não entraram na computação geral deixando vários candidatos a vereador prejudicados.

“O que nós queremos é que as pessoas recebam os vídeos da eleição em Feira de Santana. Aos meus olhos e aos olhos de muitos houve uma compra generalizada de votos nesta eleição. Colocaram à disposição do eleitor um “pardal” (aplicativo utilizado para denúncias de irregularidades na eleição). Mas o pardal, não funcionou. Não sei se não funcionou por problemas técnicos ou porque sobrecarregou”, disse Fabiano.


Segundo ele, são 120 pessoas reclamando e a quantidade pode ainda aumentar. O que demonstra uma grande insatisfação. “Nós queremos saber o voto sincero, a verdade. E, para isso todos estão buscando esse direito”, afirmou.

O promotor Audo Rodrigues recebeu o advogado Fabiano Bernardes e membros de diversos meio de comunicação e durante o encontro ele disse, “não existe essa situação de votos flutuantes”.

“Qualquer apuração só é encerrada a partir do momento que todas as urnas são computadas. Se não houver computação de todas as urnas, a ata da eleição não fecha. Já solicitei ao cartório a ata geral da eleição e passarei para o advogado que está aqui presente”, observou.


De acordo com o promotor, as pessoas estão confundindo o aplicativo de celular chamado "pardal" que é alimentado por outro sistema. Ele acredita que o aplicativo ficou muito tempo sem funcionar, as urnas em Feira de Santana demoraram para chegar ao Fórum da Justiça Eleitoral e quando chegaram foram todas de uma vez.

Audo Rodrigues enfatizou ainda que quem faz apuração da eleição e disponibiliza os dados é o Tribunal Superior Eleitoral. É o TSE quem alimenta o dispositivo pardal. Na opinião dele, só existe uma forma da pessoa saber se teve menos votos ou não do que foi apurado. É quando encerra a votação através do boletim final da urna onde constam os votos dos candidatos. Só através da soma total de todos os boletins para se tirar o exato de votos de um determinado candidato e conferir com o resultado oficial.


O promotor Audo Rodrigues não aceitou o pedido de abertura de nenhum procedimento de investigação eleitoral e orientou os candidatos que se sentiram prejudicados a constituir advogados e entrarem com ações individuais.
 

Autor/ Créditos: Jorge Magalhães

 

Leia Também