Correio Feirense - O portal de Notícias de Feira de Santana - Bahia

Feira de Santana Segunda , 22 de Maio de 2017
OFERECIMENTO

Cadmiel sugere criação de Iphan em Feira de Santana

Publicada em 17/04/2017 ás 15:48:45

Cadmiel Pereira (PSC)

 Na manhã desta segunda-feira (17/04), o vereador Cadmiel Pereira (PSC) ocupou a tribuna para cobrar do poder público, sobretudo do Governo do Estado, a proteção e promoção dos bens culturais de Feira de Santana.


“Gostaria de dizer de uma preocupação latente, que deixa a cabeça nervosa a imaginar o descaso com a cultura em Feira de Santana, principalmente pelo Governo do Estado da Bahia, onde, com a riqueza cultural que tem o município de Feira de Santana, não recebemos nem a visita do senhor secretário de Cultura do Estado, não vem andar na Rua Nova, não vai ali na Matinha, não temos apoio para a Quixabeira, não temos um Instituto do Patrimônio Histórico, Arquitetônico e Cultural do Estado da Bahia presente para ver os monumentos, os casarões que têm em Feira de Santana”, queixou-se.


Partindo desse pressuposto, o vereador sugeriu a criação de um Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) na cidade, “para que possamos ter os marcos legais, os marcos culturais de Feira de Santana assegurados”.


Cadmiel disse que não há nenhum registro sobre a casa onde nasceu a heroína da Guerra da Independência, Maria Quitéria, por exemplo. “A gente sabe da história de Lampião, a gente sabe da história de Dom Pedro, a gente sabe da história de pessoas que nada têm a contribuir, mas Maria Quitéria, de Feira de Santana, que lutou pela independência da Bahia! Por que nós estamos nessa condição?”, indagou, afirmando que não há nenhuma equipe especializada atuando na cidade para resgatar a memória e o legado de personagens históricos de Feira de Santana.


Na oportunidade, o edil lembrou que as obras do Centro de Convenções de Feira de Santana foram abandonadas e que “o povo de Feira não tem direito de chegar em ‘Jerusalém do Sertão’, Cabuçu, porque até a pista está destruída”, criticou.
 

Autor/ Créditos: Jorge Magalhães