Correio Feirense - O portal de Notícias de Feira de Santana - Bahia

OFERECIMENTO

Vídeo mostra homem 'cavalgando' e dando tapas em jacaré que vive na Lagoa Grande em Feira de Santana

Publicada em 15/01/2018 ás 14:52:50

Imagem

 Um jacaré que vive na Lagoa Grande, no Bairro Rocinha, no município de Feira de Santana, a cerca de 100 km de Salvador, foi agredido por alguns homens, após o animal deixar a água e chegar a uma área frequentada por moradores da região. O grupo, supostamente, estaria levando o animal de volta para a lagoa, mas vídeos e fotos feitos por testemunhas mostram excesso no tratamento ao jacaré. 

Nas imagens, é possível ver que o animal teve a boca amarrada com uma corda e o rabo puxado pelos agressores. Um dos vídeos mostra, ainda que um homem subiu no jacaré e "cavaLgou" no jacaré, enquanto batia nele e puxava a corda que o amarrava, como se fosse um cavalo.
 
A situação ocorreu na sexta-feira (12/01). As imagens foram compartilhadas nas redes sociais durante o final de semana e chamaram a atenção de autoridades da cidade.
A presidente da Comissão de Defesa dos Animais da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-BA), Carolina Busseni, contou que está apurando a situação, que, para ela, caracteriza crime de maus-tratos.
 
“De imediato a gente divulgou novamente nas redes sociais, pra trazer o fato a público e vamos encaminhar ao Ministério Público e à polícia, para que sejam tomadas todas as medidas cabíveis no caso. Está caracterizado crime de maus-tratos, pelo fato de ter submetido o animal a uma situação de medo, pavor, subjugado esse animal. Então, não resta dúvidas sobre o crime de maus-tratos”, relatou.

 
Em contato com o G1, o cordenador regional de Polícia Civil da cidade, Roberto Leal, informou que a polícia ainda não recebeu denúncia formal sobre a situação, mas que está apurando as imagens.
 
Um dos homens que afirma ter participado do "resgate" do jacaré nega que o grupo tenha agredido o animal. No entanto, o homem não negou que um tenham subido no jacaré durante o resgate.
 
Veja o víde:
 
“A gente imobilizou ele direitinho. Não espancou ele, como disseram aí, que teve espancamento. Não teve espancamento com o bicho, porque, se tivesse espancamento, eu chamava a polícia”, contou o eletricista Januário de Jesus.
 
Informações do g1
 
Autor/ Créditos: Redação

 

Leia Também